Em Cornélio, aumento dos casos de Covid-19 pode levar a administração a adotar novas medidas de prevenção nas escolas

Foto Ilustrativa: Comunicação/Prefeitura

Cornélio Procópio pode voltar a obrigar o uso de máscaras nas escolas municipais e demais serviços de educação no município. A possibilidade sobre a nova medida foi manifestada pela vice-prefeita e secretária municipal de Saúde, Angélica Olchaneski, diante do aumento de pessoas da comunidade contaminadas pela Covid-19, notadamente crianças que não tomaram a vacina.

Na quarta-feira, 25, face ao aumento dos internamentos provocados pela doença, uma deles, inclusive, em UTI, a gestora manifestou a preocupação do Poder Público Municipal diante da situação atual. “Temos observado que a demanda tem aumentado muito na Unidade Respiratória (UAR) e também que muitas das pessoas positivadas são crianças, o que aumenta nossa preocupação”, afirmou.

Disse que a situação é preocupante porque, embora o índice de vacinação no município seja satisfatório, muitas das crianças ainda não receberam o imunizante, segundo ela, por insegurança dos próprios pais. “São crianças que estão suscetíveis e abertas a contrair a doença. Algumas delas têm positivado, havendo escolas em que tivemos aproximadamente 20 crianças acometidas pela doença ao mesmo tempo”, explicou.

Em sua opinião, o uso da máscara deveria ser mantido em todas as áreas de ensino, sejam públicas ou privadas. “Se analisarmos a situação, veremos que as crianças permaneceram muito tempo fechadas nos ambientes sem ir para as escolas. Assim, devido ao excesso de proteção e agora, de uma hora pra outra, todo mundo fica descoberto, com o seu sistema imunológico enfraquecido fica mais suscetível inclusive a outras doenças como temos visto agora”, exemplificou.

Informou que a Secretaria Municipal de Saúde já está estudando a elaboração de um documento para avaliação do prefeito Amin Hannouche para adoção de novas restrições nos ambientes escolares. Em vez, de facultado, como vem ocorrendo em alguns setores, a volta do uso obrigatório de máscaras, entre as medidas que podem ser reeditadas.

“Temos notado que muitos municípios da região que têm pessoas que frequentam escolas aqui, ainda mantêm números expressivos de Covid com muitos desses alunos frequentando nossas universidades. Assim, temos que fazer uma releitura dessa situação na tentativa de evitar uma propagação ainda maior da doença”, concluiu a secretária. (Rádio Web CP/Comunicação/Prefeitura).

Deixe uma resposta