Projeto proíbe utilização de veículos movidos a tração animal e exploração animal

Por iniciativa do vereador Luiz Alberto Dib Canônico (PROS) será votado nesta terça-feira, 27, Projeto de Lei que proíbe a utilização de veículos movidos atração animal na área urbana de Cornélio Procópio. Segundo o vereador, a área urbana ampliou a circulação de veículos automotores e Carroças e Charretes disputam um espaço perigoso nas ruas e avenidas da cidade. Luiz Alberto sugere a utilização de veículos movidos a combustíveis, eletricidade ou o Cavalo de Lata, utilizado em dezenas de municípios. “Certas cidades brasileiras já começaram a adotar carrinhos elétricos e o Cavalo de Lata em substituição as carroças, como em São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Fortaleza, Vitória, Curitiba, Porto Alegre, Brasília e Foz do Iguaçu. É uma ótima opção para que, de forma rápida se melhore as condições dos animais, dos próprios carroceiros e do trânsito” esclareceu o vereador.                                                                                        

Apresentado na última semana, o projeto sofreu duas alterações. Conforme o vereador, o projeto atinge apenas a zona urbana do município e terá um prazo de 1 ou dois anos para ser efetivamente aplicado. “Embora algumas pessoas sejam atingidas pela projeto, é necessário que este tipo de transporte seja eliminado. As carroças são utilizadas há séculos. No entanto, ainda hoje, apesar dos avanços em termos de meios de transporte, animais continuam sendo explorados para o uso da tração de veículos. As legislações existentes são ineficazes para dar proteção, mínima que seja, aos animais explorados para esse fim, simplesmente, porque não há fiscalização efetiva que atue especificamente para esse tipo de caso”, explica Luiz Alberto Dib Canônico.

Ele acrescentou que muitos proprietários cuidam bem dos animais, porém há aquelas que exploram animais até a exaustão, abusando do peso, de distâncias percorridas, sob circunstâncias de tempo e clima mesmo que desfavoráveis, sem manutenção básica necessária, como o de alimento, água e assistência veterinária.                                                                                O vereador afirmou que recebeu muitas reclamações de comerciantes e empresários procopenses, em função do mau cheiro das carroças e cavalos que circulam na cidade. “Os animais defecam nas ruas, deixando sujeira e fetidez na frente de comércio, bares, padarias e restaurantes. Os proprietários dos restaurantes são os mais prejudicados, pois a situação atrapalha e incomoda a sua clientela. Ademais, trata-se de uma questão de saúde pública, pois, ao defecarem, os cavalos deixam uma trilha de fezes pelas ruas e as pessoas acabam pisando e levando sujeira para os comércios, muitos deles de alimentação”, afirmou.

De acordo com levantamento realizado pelo vereador, Cornélio Procópio possui um grande número de animais utilizados para tração (em torno de 300). “Esses animais não possuem locais apropriados para alojamento e alimentação. Recentemente houve o resgate de um cavalo em situação de maus tratos pela ONG local e teve que ser sacrificado. Também houve acidente grave na PR 160, vitimando uma senhora de idade: O município está crescendo e se desenvolvendo, por isso, não podemos permitir situações semelhantes demonstrando atraso urbano”, concluiu o vereador. (Rádio Web CP com texto de Marcos Brito).

Deixe uma resposta