Cornélio Procópio intensifica ações de combate às hepatites virais

O mês de julho começou e a Prefeitura de Cornélio Procópio, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, está lançando  a campanha “Julho Amarelo, Mês das Hepatites Virais”. Em parceria com o Programa de Ações e Metas (PAM) que, além das hepatites, trabalha com outras enfermidades como HIV/AIDS, Tuberculose e Sífilis, tem como meta informar a população e ampliar o diagnóstico das hepatites dos tipos B e C no município. Dia 28 é o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais.

“São doenças silenciosas que podem levar à uma cirrose e, até mesmo, a um câncer de fígado”, alerta a enfermeira Valéria Tondinelli, coordenadora do PAM no município. A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns medicamentos, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas.

“Na maioria das vezes, são infecções silenciosas e não apresentam sintomas.  Entretanto, quando aparecem, se manifestam na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras”, explica a enfermeira.

As hepatites virais tipo A podem ser transmitidas pelo contágio fecal-oral, especialmente em locais com condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos. Já a do tipo B e as demais, são  pela relação sexual desprotegida, contato com sangue contaminado, compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos perfuro-cortantes; da mãe para o filho durante a gravidez (transmissão vertical), e por meio de transfusão de sangue ou hemoderivados.

Os números – Segundo a enfermeira, dados fornecidos pela 18º Regional de Saúde, mostram que nos últimos 10 anos, foram diagnosticados 523 casos de hepatites virais nos 22 municípios da microrregião. Neste período, somente em Cornélio Procópio foram 180 casos. Já nos últimos 3 anos os registros vêm reduzindo,  vinte casos em 2019, nove em 2020 e apenas um em 2021.

Para Valéria, a falta de conhecimento sobre a doença ainda é um grande desafio. “Com base nessas informações é que orientamos às pessoas para que procurem a UBS mais próxima da sua casa fazer os testes rápidos que são ofertados gratuitamente e a realização da aplicação da vacina”, conclama a chefe do PAM. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para todos os tipos de hepatite, independentemente do grau de lesão do fígado. (Rádio Web CP/Comunicação/Prefeitura).

Deixe uma resposta